Artigo sobre o movimento Maio Amarelo é publicado em jornal científico

A edição de janeiro-abril do Panaman Journal of Trauma (Jornal de Trauma do Panamá – em livre tradução), publicada no dia 15 de maio, traz o artigo intitulado: Yellow May: Worldwide Road Safety Injury Prevention Program (Maio Amarelo: Programa Mundial de Prevenção de Lesões de Segurança Rodoviária – livre tradução), em que apresenta o movimento Maio Amarelo e suas ações, desde a sua criação em 2014, aqui no Brasil, além do alcance de suas campanhas e o engajamento de diversos países pelo mundo.

De autoria de Alcir Escocia Dorigatti, da Divisão de Traumatologia, no Departamento de Cirurgia, da Universidade de Campinas, Campinas (SP), entre as fontes, conta com o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária para o fornecimento de informações e dados, o artigo adverte para o alto número de vidas perdidas no trânsito. Segundo o mesmo, perdem-se três mil vidas por dia nas estradas e nas ruas, essa é a nona maior causa de morte no mundo.

Outro detalhe é que as colisões de trânsito são a principal causa de morte na faixa etária dos 15 aos 29 anos; a terceira na faixa etária dos 30 aos 44 anos; e a quarta na faixa etária dos 5 aos 14 anos. Essas colisões representam atualmente um custo de 518 bilhões de dólares por ano ou entre 1% e 3% do produto interno bruto de cada país.

Sobre o Maio Amarelo

Nos 6 primeiros anos de Maio Amarelo, o movimento conseguiu provar a reprodutibilidade do projeto. Ou seja, hoje, no Brasil, ele é desenvolvido anualmente em todo o país. E o movimento também conta com o apoio de 28 países, como: Argentina, Áustria, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, Holanda, Marrocos, México, Portugal e Uruguai, entre muitos outros. É necessário salientar que cada país é livre de criar o seu próprio material, de acordo com as suas necessidades epidemiológicas.

Somente em 2019, os meios de comunicação social espontâneos atingiram um valor total de 169 mil dólares. Em 2018, o movimento contava com mais de cinco mil ações de campanha em 28 países, enquanto em 2019, foram mais de 3.000 ações. Em conjunto com todas as mídias/meios de comunicação (impressa, rádio, TV e internet), foi possível alcançar mais de 120 milhões de pessoas.

O Panamerican Journal of Trauma é o jornal oficial da Sociedade Panamericana de Trauma. A revista tem como objetivo facilitar o intercâmbio de ideias e informações relevantes para melhorar os cuidados clínicos, a educação e a investigação científica em traumatismos, cuidados críticos e cirurgia de emergência. Além de, proporcionar oportunidades que alimentem e promovam os jovens investigadores e fomentar a produção científica das Américas.

O artigo pode ser lido aqui (em inglês): https://www.pajtcces.com/doi/PAJT/pdf/10.5005/jp-journals-10030-1265

Sem comentários

Escreva um comentário

Translate »